OK
Close

Página mantém viva a história

TODODIA Express

ANDRÉ ROSSIMONTE MOR | 16/05/2016-22:41:06 Atualizado em 16/05/2016-22:45:41

A cada dez brasileiros, oito estão conectados ao Facebook, segundo dados da própria empresa. É difícil encontrar alguém que não esteja na rede social, interagindo, compartilhando e fazendo conexões. Sabendo desse potencial, o diretor de Cultura de Monte Mor, Nelson de Luccas, criou a página "Monte Mor de Antanho", com o objetivo de relembrar e divulgar a história da cidade.
Imagens, vídeos e pequenos textos são publicados na página. Segundo Luccas, a ideia é facilitar o acesso da população à cultura de Monte Mor.
"Queira ou não queira, muita gente gosta de relembrar o passado. Sempre fui muito ligado a isso, até pela minha formação como professor de história. As pessoas precisam ter acesso a sua própria história, e o Facebook facilita esse processo", comentou.
Parte do acervo do Museu Municipal Elisabeth Aytai, de Monte Mor, também é compartilhado na página. Como diretor da unidade, Luccas reconhece que as pessoas não têm mais o hábito de ir ao museu. A página na rede social, na visão dele, pode voltar a despertar esse desejo.
"Quando as pessoas entram aqui (no museu), elas ficam entusiasmadas. Tem gente que não sabe que o museu existe. A página também ajuda a despertar essa curiosidade", contou.
A vontade de relembrar a cultura da cidade não se limita a uma página apenas. O funcionário público
DESAFIOS
Jamil José Lisboa, 55, o Mia, criou um grupo chamado "Fotos de pessoas e lugares de Monte Mor". Além de imagens e vídeos de antigamente, também acontecem "desafios" no grupo.
Um dos membros posta uma foto antiga de um morador da cidade e os outros integrantes tentam descobrir quem é. "O pessoal participa bastante, fica animado. Sempre posto fotos antigas que eu tenho e as pessoas me procuram para entregar fotos delas, de pontos da cidade. É bem legal", comentou.
O grupo, que conta com 2.044 pessoas, é restrito para moradores da cidade e, segundo Lisboa, não são permitidas propagandas de nenhuma natureza. "Não deixo entrar propaganda. O objetivo é relembrar a cultura de Monte Mor, que se perdeu com o passar do tempo", disse.