OK
Close

Cartão deve injetar R$ 108, 4 mi

Imóveis

CLAUDETE CAMPOSREGIÃO | 13/05/2017-17:51:01 Atualizado em 13/05/2017-18:34:36
Divulgação
LIMA FILHO | Presidente da Associação Regional da Habitação diz que medida dará fôlego

O setor da construção civil começa a reagir na região, depois do período recessivo. Além de as construtoras desengavetarem os lançamentos, o governo federal também instituiu o Cartão Reforma, que deve injetar R$ 108,4 milhões no comércio varejista de Campinas, segundo especialistas. Ainda não há dados das 20 cidades da RMC (Região Metropolitana de Campinas). As pessoas poderão usar crédito para investir na compra de material de construção para reformar suas casas.
Podem utilizar o cartão famílias de baixa renda que recebem até três salários mínimos, ou seja, R$ 2.811. Em média, o limite de crédito será de R$ 9 mil. Pelas regras do programa, o montante poderá ser usado na ampliação, na acessibilidade ou na conclusão de obras. O repasse da verba será feito pelo Ministério das Cidades, através da Caixa Econômica Federal, que vai entregar o cartão para famílias selecionadas.
O benefício deve movimentar os lojistas de materiais de construção de Campinas, na avaliação do presidente da Habicamp (Associação Regional da Habitação), Francisco de Oliveira Lima Filho. "Além de um fôlego para os comerciais, este recurso vai ajudar a movimentar a economia local e também a gerar emprego, uma vez que muitas famílias precisarão contratar mão-de-obra especializada para a execução das obras", informou Lima Filho.
REGRAS
Segundo as regras, o interessado deverá ser proprietário e morar no imóvel onde será feita a reforma. A prioridade será para famílias sustentadas pela mulher, que tenham idosos ou pessoas com deficiência como membro, além daquelas com renda baixa.
O cartão terá validade de um ano e deverá ser usado no período de vigência. A execução da obra é de responsabilidade da família beneficiada. A liberação dos recursos será entre maio e junho deste ano. No Brasil, cerca de 100 mil famílias serão beneficiadas nesta primeira etapa, com orçamento de R$ 1 bilhão.
REAQUECIMENTO
Segundo Lima Filho, as construtoras começam a desengavetar os investimentos em lançamentos por causa da queda nas taxas de juros, retomada da economia e aumento da confiança do consumidor.
CAIXA
A assessoria de imprensa da Caixa, em Campinas, informou que não há informações ainda sobre o número de beneficiados, quanto será injetado na economia e nem sobre a operação do cartão na região. Mas confirmou que moradores das cidades da região serão beneficiados.