OK
Close

Não se 'queime' na entrevista

Empregos

claudete campos região | 03/06/2017-00:19:50 Atualizado em 03/06/2017-00:19:49
Divulgação
SANDOVAL | Infringir regra pode eliminar candidato

A concorrência às vagas de emprego está cada vez mais acirrada. Por isso, os candidatos devem ir bem preparados e conscientes aos recrutamentos. E tomar precauções para não caírem nas cinco principais armadilhas que barram as admissões. O consultor, coach e professor da IBE-FGV Vagner Sandoval fala quais são os cinco principais comportamentos que tiram os entrevistadores do sério. E também dá dicas para aliviar as tensões durante as entrevistas.
A recomendação dele é sempre ter uma postura de respeito, ser assertivo, manter a humildade e não passar uma imagem daquilo que não é. "Os recrutadores enxergam toda a comunicação, verbal e não verbal. É preciso ter calma e manter sua melhor postura", sugeriu.
Conseguir uma entrevista de emprego é motivo de comemoração, mas o candidato não pode pôr tudo a perder. Algumas atitudes que parecem sem relevância causam impactos negativos. Uma delas é deixar o celular ligado na entrevista. Segundo Sandoval, o ruído interfere e prejudica a concentração do candidato e do recrutador. Além do que interrompe a comunicação e demonstra que o candidato não está focado.
Em hipótese nenhuma o candidato deve inventar informações ou competências, como mentir que sabe falar fluentemente inglês. O recrutador se sente enganado e pode questionar se o candidato não mentiu sobre outras informações. Além disso, na entrevista, não pode ser arrogante e demonstrar que tem um ego inflado, pois pode ter problemas de relacionamento com os demais integrantes da equipe se for contratado.
Na entrevista, não deve falar palavrão, pois isso pode chocar o entrevistador e demonstrar que é mal educado e que poderia causar problemas na empresa. O postulante à vaga de emprego também não deve falar demais, porque pode estender muito a entrevista.
Se o candidato infringir uma dessas cinco regras, fatalmente está fora do páreo, a não ser que os concorrentes tenham caído nas mesmas armadilhas e tenham sido piores do que ele. "Via de regra, escorregar nessas cascas de banana quebra a coluna cervical, tira a pessoa do jogo. São erros que passam uma imagem muito ruim para o recrutador e só se não tiver uma pessoa mais capacitada, mais competente para colocar no lugar, ele vai chamar", disse Sandoval.
A recomendação do coach é que as pessoas se preparem para participar desses processos seletivos para ficar mais calmas. Que treine as respostas com familiares, que avalie se as respostas são condizentes com seu currículo, que evite inventar habilidades ou cair em contradições. E ficar muito atento às expressões faciais e corporais. Segundo o especialista, esse é um momento de pressão, porque a pessoa está sendo avaliada, mas qualquer resposta errada pode eliminá-la do processo seletivo.
Para não ficar tão nervosa na entrevista, a pessoa deve praticar hobbies antes, como nadar, caminhar, meditar, ler, orar e outros recursos para esvaziar a mente e manter-se equilibrada, recomendou Sandoval.