OK
Close

Arrogância depõe contra a empresa

Empregos

CLAUDETE CAMPOSREGIÃO | 22/07/2017-16:34:07 Atualizado em 22/07/2017-19:26:11
Divulgação
VERAS | Especialista recomenda atenção e educação

Algumas pessoas são arrogantes no ambiente de trabalho. São profissionais que se escondem atrás da marca de uma empresa consagrada no mercado. Não gostam de atender as pessoas e não dão respostas ou demoram a dar satisfação sobre propostas apresentadas. Sem contar que destratam as pessoas, não são educados e nem respeitosas. Ainda agem com indiferença ou interrompem reuniões para atender ao telefone.
Profissionais assim podem comprometer sua carreira e arranhar a reputação da empresa onde atuam. O presidente da Unità Educacional, Marcelo Veras, já se deparou com muitas pessoas assim nas quatro multinacionais em que atuou e na sua trajetória profissional como especialista em carreira, competências e gestão da inovação.
Essa arrogância corporativa não se restringe a idade e nem hierarquia. "Já vi problema de estagiário a presidente. Tem gente que, pelo fato de estar em empresa muito bem colocada, muito relevante, que é uma empresa desejada, essa pessoa sobe um pouco no salto e se acha melhor do que os outros", afirmou. Na opinião de Veras, líderes arrogantes, que praticam assédio moral e são estúpidos no trato com os subordinados, demonstram fraqueza.
Para Veras, essa atitude é péssima. "A consequência é fechar as portas. Nós somos avaliados o tempo inteiro por nossas competências técnicas e comportamentais. O recado é muito claro: tenho deficiência de competência e preciso esconder atrás dessa máquina", avalia Veras. Quem acha que é "o último pacote da bolacha", que sabe e domina tudo, tem tendência de se isolar. Segundo Veras, ninguém quer ficar perto de um sujeito arrogante e, por isso, pode ser boicotado.
Tais profissionais precisam entender que esse comportamento pode ser comentado fora da empresa e até mesmo pelas redes sociais. Essa experiência ruim pode afetar até mesmo candidatos da empresa que aceitam tais práticas, porque o entrevistador, em um processo seletivo, pode olhar o profissional com o pé atrás, avalia Veras. "Misturar a sua carreira com a empresa em que está hoje é um erro fatal", ressaltou.
O especialista disse que a carreira tem de ser descolada da empresa. Mesmo porque o arrogante pode estar desempregado amanhã e precisar de indicação. Então, pode ter dificuldades para se recolocar no mercado de trabalho por causa de sua postura.
Todos estão sujeitos a ser arrogantes, mas existem técnicas que ajudam a evitar tais comportamentos perniciosos. Para Veras, o exemplo deve começar de cima. Os líderes não podem deixar a arrogância se propagar na corporação.
Além disso, recomenda que os profissionais sejam atenciosos, educados e afetuosos com as pessoas de fora da empresa. Para ele, algumas pessoas podem adotar posturas arrogantes por ignorância, pois isso deve refletir sobre suas atitudes. Além disso, as pessoas não precisam se contaminar e ser arrogantes, mesmo que essa seja a postura dos colegas.
Relacionamento, empatia, autenticidade estão no grupo de competências comportamentais e isso se aprende em livros e palestras. As pessoas precisam ter consciência de que isso é importante. Um livro de cabeceira de Veras é "Dar e Receber", de Adam Grant, que prova que pessoas mais abertas, autênticas, que compartilham conhecimento e não se fecham vão mais longe na carreira.