OK
Close

38% temem perder emprego nas férias

Empregos

CLAUDETE CAMPOS REGIÃO | 08/07/2017-00:04:41 Atualizado em 08/07/2017-00:04:37
Divulgação
MARINA | Psicóloga diz que é preciso ao menos 15 dias para descansar

A crise econômica está tão grave que 38% dos brasileiros estão com receio de sair em férias e perder seus empregos. Foi o que revelou pesquisa recente do ISMA-BR (International Stress Manager Brasil). E uma boa parte dos entrevistados confessou que checa e-mails e tarefas pelo celular nesse período de descanso.
Vender as férias e continuar trabalhando traz consequências físicas e psicológicas aos trabalhadores. É que a mente e o corpo precisam deste período de descanso para recarregar as baterias.
O recomendável, diz a psicóloga Marina Arnoni, do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, na capital paulista, é que as férias durem, ao menos, 15 dias. Esse é o tempo para o corpo se acostumar com a nova rotina. "O ideal é a pessoa tirar, no mínimo, 15 dias de férias. Considero este o tempo necessário para que o corpo se acostume com a nova rotina. Antes, o trabalhador não consegue descansar o suficiente a mente e o corpo", disse a psicóloga.
E férias é para relaxar e sair da rotina. "Neste período, não se cobre, quebre as regras, não tenha medo de dormir até mais tarde, de trocar os horários das refeições, mesmo com crianças em casa. Fazer isso às vezes também é importante", sugeriu a psicóloga.
Mas esse momento de descanso é imprescindível para o ser humano, alega a especialista. "As férias são um direito do trabalhador, mas, independente da legislação, é uma forma de recarregar as energias e voltar com novas motivações ao emprego", ressalta.
A recomendação da psicóloga para aproveitar as férias sem se preocupar com a vida que continua no ambiente de trabalho é solucionar todas as pendências e deixar compromissos importantes para depois do retorno. "Em cargos em que isso não é possível, sugiro combinar com a empresa um horário para que esse contato seja feito sem atrapalhar nenhum momento do descanso", sugeriu.
Férias é um momento de desestressar. Preocupar-se com o trabalho nas férias não é indicado. Assim a mente e corpo não desligam das tarefas profissionais. Pode ocorrer estresse e depressão, além de poder desencadear a Síndrome de Burn Out.
"Essa nova síndrome é uma grande preocupação dos médicos. É um reflexo da sociedade moderna, em que as cobranças são muitas, indo além do que o funcionário pode suportar. A doença pode causar a incapacidade física e mental permanente da pessoa, com risco alto de suicídio", alertou a psicóloga.
"Entendo que deixar de tirar férias seja uma decisão equivocada. As pessoas precisam de um período de descanso. Isso é imprescindível, tanto para a mente quanto para o corpo. É uma maneira de recarregar as energias e voltar com novas motivações ao emprego", disse Marina.