OK
Close

Raízes do Sul

Clube Gourmet

Texto | Claudete Campos e Jucimara LimaFotos | Divulgação | 01/09/2017-21:43:59 Atualizado em 01/09/2017-21:53:29

Na Região Sul do País, esse chá é consumido quente. Na Região Centro Oeste, a bebida é gelada. Independente da parte do País, muita gente gosta de beber erva mate ou chimarrão, no extremo Sul, ou tererê, gelado, em Mato Grosso do Sul. A região também tem muitos adeptos da bebida com propriedades nutricionais. Aproveitando que no dia 20 de setembro comemora-se o Dia do Gaúcho, o Clube Gourmet conta um pouco da história da bebida. Os gaúchos diriam que é uma bebida para macho, tchê. É que é bem amarga.
É rica em nutrientes. Estudos científicos comprovaram que ajuda a reduzir o colesterol ruim, melhora a digestão, tem ação diurética, melhora o desempenho cerebral, acelera o metabolismo e aumenta o gasto calórico. Especialistas dizem que as pessoas podem consumir até um litro por dia.
O consumo desta bebida também é comum na região. Há sete anos, o DJ Daniel Pacheco, 34, fez uma viagem a Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, e aprendeu a beber Tererê (erva mate e água gelada) em reuniões na praça, ao som do violão. Era perto de dezembro e estava bem quente. Então, a bebida ajudava a refrescar. Desde então, a consome frequentemente. Aderiu à bebida com erva mate, menta e boldo, mas já preparou com limão e folha de boldo. Segundo Pacheco, é servida em copo de alumínio ou cuia no formato de chifre de boi. No Sul, explicou, é consumida na cuia com a bomba (canudo de inox).
"Eu particularmente tomo chimarrão desde os quatro anos de idade. Aprendi com os meus pais e os meus avós. Já ensinei a minha filha, que tem sete anos de idade, que toma chimarrão conosco. É tradição a família tomar a sua cuia de chimarrão em uma roda de chimarrão, porém dentro de cada casa o indivíduo da família não precisa ter a sua cuia, mas a família tem a cuia dela", afirmou o gaúcho Maurício Kaiser.
A origem
O gaúcho Maurício Kaiser é um estudioso do assunto e informou que chimarrão ou mate é consumido no Rio Grande do Sul e na Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile. Na maioria dos lugares, o nome mais tradicional é mate. No Rio Grande do Sul e Santa Catarina, ganhou o nome de chimarrão, por causa dos castelhanos que viviam às margens do Rio da Prata, mas chamavam a bebida quente sem açúcar de chimarron (um chá sem açúcar).
Tradicionalmente, a bebida surgiu nessa região com os índios guarani, que povoavam Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina, principalmente. Na época da guerra dos Farrapos, se difundiu por todo o Estado como sendo a bebida característica local, pela questão de clima, fácil transporte em viagem porque a erva está seca e por ser fácil de carregar. Virou um ícone para os gaúchos.
Consomem em casa
Todos os gaúchos, na sua grande maioria, consomem chimarrão nas suas casas. Os gaúchos tomam a bebida desde criança, informou Maurício Kaiser. Para os gaúchos, é um crime ferver a água para tomar chimarrão. A água não pode estar acima de 75 a 80 graus no máximo, para que não se queime a erva. A erva tem de preservar o sabor da seiva, explicou Kaiser.
A secagem
A folha da erva mate é seca em um método de desidratação com lenha, calor e centrífuga. A folha vai secando de forma lenta sem que ela queime para preservar todas as suas características de planta na erva de chimarrão, por isso ela é tão verdinha. Com o tempo aprimoraram os métodos dos ancestrais.
Mateira
"Hoje em dia nós temos principalmente bolsas de couro, que chamamos de mateira, que consegue carregar um pote de erva, uma cuia, uma bomba e uma garrafa térmica", explicou Kaiser.
As tradições
A tradição manda que a visita receba um chimarrão novo em sinal de respeito. Normalmente, os gaúchos servem os mais velhos e as mulheres primeiro. Nunca se entrega uma cuia de chimarrão com água ainda. "Tu deve tomar toda a água da cuia sozinho para depois entregar a cuia para a próxima pessoa tomar o chimarrão", explicou Kaiser.
As variações
Hoje em dia. pelas características de paladar e gosto, as ervas ganharam variações, informou Maurício Kaiser. Pode ser tomada pura, aromatizada, misturada com chás ou frutas, como casca de laranja e menta. Aqueles que não gostam da erva tão amarga adoçam com açúcar.
As opiniões
A colunista social Jucimara Lima perguntou aos leitores do TODODIA quem tinha o hábito de consumir a bebida. 57 pessoas responderam e a maioria disse que consome regularmente chimarrão ou tererê ou indicou quem tem esse hábito na região. Selecionamos as melhores respostas:
"Aprendi a tomar chimarrão quando morei no Sul...E Tererê com meu sobrinho de Presidente Prudente. Todo sábado é sagrado...embaixo das árvores no jardim da casa. Hoje, não tenho mais esse hábito...mas é muito bommmmmm. Ainda tenho uma cuia em casa"
Dirce de Paula Sbravatti
 
"As minhas raízes sulistas me fazem sempre tomar chimarrão e tererê"
Douglas Photos
 
"Eu tomo chimarrão. Acabando de preparar o de hoje"
Rozana Vecchi Sgarbi
"Euuuuuuuuuuuuuu!!!! Chimarrão!!! Todos os dias!!! Pai gaúcho e agora morando no Sul...Aí sim!!! Para nossa família, esse momento é sagrado, momento de conversar!!!"
Maryellen Souza
 
"Tomamos todos os dias e digo mais: acabei de trazer 10 quilos da Capital Brasileira da Erva Mate: Canoinhas (Santa Catarina)"
Luis Gustavo Souza Oliveira
 
"Tererê é vida. Me Lembra faculdade"
Brenda Godoy
 
"Olha o chimarrão, erva da boa é lá do MS (Mato Grosso do Sul)..."
Janete Saldanha
"Eu morei no Paraná assim que me casei. A fazenda que o Bira trabalhava tinha uma parte que era da Mate Leão. Eles tomam muitooo. Acho um pouquinho amargo, para quem não está acostumada. O chimarrão doce, já que ninguém falou, é uma delícia. Você põe na cuia, um pedaço de brasa, mas em brasa mesmo. Coloca em cima a erva, e açúcar para queimar. Tudo isso dentro da cuia. Daí quando queimar, coloca leite quente. É uma senhora bebida em dias muitooo frios. Você até sente calor. Muito gostoso. Ahhh, perfuma a casa toda. Um cheiro delicioso"
Eliana Zaldan Brasil