OK
Close

Linha de crédito beneficiará região

Imóveis

CLAUDETE CAMPOSREGIÃO | 12/08/2017-00:35:04 Atualizado em 12/08/2017-18:47:11
Arquivo | TODODIA Imagem
LIMA FILHO | Verba deve dar empurrão ao setor imobiliário, diz presidente da Habicamp

A RMC (Região Metropolitana de Campinas) também se beneficiará do Produlote, a nova linha de crédito da Caixa para produção de loteamentos urbanizados. O lançamento ocorreu nesta semana, em São Paulo. O orçamento é de R$ 1,5 bilhão, para contratação imediata em todo o País. A previsão do presidente da Habicamp (Associação das Empresas do Setor Imobiliário e da Habitação de Campinas), Francisco Oliveira Lima Filho, é que 60% desses recursos - R$ 900 milhões - sejam aplicados na RMC. O setor aguarda ansiosamente os investimentos para movimentar o segmento, que está praticamente parado na região, segundo Lima Filho.
Essa nova linha de crédito é para apoiar empresas urbanizadoras e loteadoras na produção de loteamento urbano, como condomínios fechados e bairros novos. Podem se beneficiar dessa linha empresas com faturamento fiscal anual superior a R$ 15 milhões. Esse crédito é para que as empresas executem redes de água, esgoto, asfaltamento e iluminação pública. Depois, as pessoas poderiam financiar a compra do terreno e a construção da casa.
Segundo Lima Filho, essa nova linha de crédito vai impactar diretamente o setor na região, porque está sendo criado um novo nicho de mercado. "A região tem vocação para lotes urbanizados. Tem incorporadoras esperando isso para lançar, ainda mais agora que o Plano Diretor em Campinas está sendo aprovado", afirmou o presidente. "Na região, nós temos condições de absorver mais de 60% do pacote. Pode ser até mais do que isso", afirmou Lima Filho.
Para o presidente, o novo financiamento chega na hora certa. "Não só vai dar um grande impacto, como vai dar um empurrão", informou o presidente. "A região tem que começar a andar novamente. Nosso mercado está parado", afirmou o presidente. Além disso, diz, a medida contribuirá para aumentar o número de postos de trabalho e favorecer o crescimento das cidades. Segundo o presidente da Habicamp, a construção civil tem de chegar ao patamar de 30% a 40% do total de área construída em 2012 e 2013, para não correr o risco de entrar em colapso. Para efeitos de comparação, em dezembro de 2012 somente Campinas ampliou em 2,830 milhões de metros quadrados de construção nova.
DETALHES
Segundo a assessoria de imprensa da Caixa, a linha de crédito financiará até 70% do custo de infraestrutura do loteamento. O limite é de 50% do valor global das vendas. "As regras para a liberação do crédito devem atender toda infraestrutura exigida pelo Poder Público e as diretrizes emitidas pelas concessionárias, que vão da limpeza do terreno à implantação das redes de água, esgoto e distribuição de energia elétrica", traz a nota da Caixa.
A Caixa informou que o contrato só será assinado após análise do projeto, da empresa e dos tomadores do crédito.
A liberação das parcelas do financiamento é feita em conformidade com o cronograma físico-financeiro da obra e após a medição pela Caixa.
O prazo de obra é de até 24 meses (dois anos). A empresa terá mais seis meses de carência pós-obra e mais 48 meses para quitar o financiamento.