OK
Close

As doenças da estiagem

TodaGente

Texto | Claudete Campos Fotos | Divulgação | 19/08/2017-16:53:38 Atualizado em 19/08/2017-16:50:02

A estiagem começou em agosto, mas, a partir de setembro, os dias serão mais quentes e secos, por causa da redução da umidade relativa do ar. Resultado: narinas, garganta e até mesmo peles secas. Além de favorecer as ocorrências de doenças respiratórias.
De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), o índice ideal de umidade relativa do ar é de 60%. Abaixo desse percentual, as doenças oportunistas e as alergias atacam. Podem ocorrer sangramento nas narinas, garganta irritada, espirro e tosse.
A Secretaria de Estado da Saúde do Estado informou que a baixa umidade do ar favorece o aumento de alergias respiratórias e de pele, em especial em crianças, idosos e portadores de doenças crônicas.
"O tempo seco causa ressecamento das vias aéreas e viabiliza a proliferação de vírus e agravamento de doenças e alergias respiratórias, como asma, que pode ser tanto crônica, quanto alérgica. A ingestão de água e permanência em locais ventilados são ótimas maneiras de prevenção", informou o pneumologista do AME (Ambulatório Médico de Especialidades) Barradas, Fábio Muchão.
Segundo o médico otorrinolaringologista Jairo de Barros, do IBORL (Instituto Brasiliense de Otorrinolaringologia), na seca as pessoas ficam menos gripadas mas, em compensação, as alergias se agravam, principalmente rinite e sinusite. "Durante a seca, as moléculas de ácaros ficam por mais tempo suspensas no ar, agravando as alergias, principalmente de idosos e crianças, pacientes estes que têm a saúde mais fragilizada", afirma.
HIDRATAÇÃO
Barros informou que o consumo de água é imprescindível nesta época. "Precisar uma quantidade é muito relativo. Fala-se em, no mínimo, dois litros por dia, mas para um trabalhador da construção civil, por exemplo, essa quantidade não é suficiente. Observar a urina é mais efetivo. Se estiver com cor forte, é preciso consumir mais líquido. Se estiver clara, a quantidade é ideal. Exceto para casos em que a pessoa está tomando alguma medicação que pode alterar isto", informou o médico.
Cuidados com a pele
Os cuidados devem ser redobrados em pessoas com pele mais sensível, que tenham doenças de pele ou pré-disposição a desenvolvê-las. "A ingestão de água e uso de hidratantes corporais é indispensável. O hidratante não pode faltar no tratamento da pele, mesmo que seja necessário utilizá-lo várias vezes ao dia", ensinou a coordenadora do setor de dermatologia do AME Barradas, Bhertha Tamura.
Alerta sobre o umidificador
Algumas medidas comportamentais apresentam resultados efetivos para amenizar os sintomas. "O umidificador de ar, quando bem utilizado, ajuda muito a manter o equilíbrio do ar e dos sintomas alérgicos, mas é preciso mantê-lo num ambiente arejado, direcionado para uma superfície que não absolva água, para que não crie ácaros, e sempre muito bem higienizado", alertou Barros.
Dicas
Evitar locais totalmente fechados;
Cobrir a boca com um lenço quando for espirrar;
Aumentar a ingestão de líquidos;
Hidratar as vias nasais com pomada Bepantol, óleo Jonhson's e até azeita de oliva;
Manter a carteira de vacinação em dia;
Lavar o nariz e fazer inalação com soro fisiológico ou utilizar soro em gel;
Lavar as mãos utilizando água e sabão várias vezes ao dia;
Estender uma toalha úmida no quarto tem o mesmo efeito do umidificador de ar;
Usar hidratante corporal todos os dias, principalmente após o banho;
Evite tomar banhos demorados, com água muito quente;
Fonte: Secretaria de Estado da Saúde e médicos Bhertha Tamura e Jairo de Barros