OK
Close

AMAZÔNIA 1

Fogo Cruzado

30/08/2017-23:25:30 Atualizado em 30/08/2017-23:21:51
Claudeci Junior | TODODIA Imagem

A vereadora de Americana Maria Giovana (PCdoB) criticou o governo do presidente Michel Temer (PMDB) pela publicação de um decreto que libera a exploração mineral em uma reserva da Amazônia. "Não Podemos Aceitar a Destruição de um dos Maiores Patrimônios Ambientais do Mundo. Governo está Querendo Destruir nossa Floresta Amazônica!", escreveu a parlamentar, ao compartilhar uma reportagem do El País sobre o caso. "Cader (sic) a força do povo brasileiro ? Teve força pra por o temer la no poder e agora ele distrói (sic) td e ninquem (sic) faz nada!", escreveu uma internauta. Maria Giovana desabafou na resposta a ela: "O povo sumiu, tá difícil mobilizar", afirmou.
AMAZÔNIA 2
Após repercussão negativa da medida, Temer alterou o decreto, mas manteve a extinção da área preservada. O suplente de vereador de Americana Davi Ramos (PCdoB) também criticou o governo do peemedebista. "Texto do novo Decreto é uma tentativa de enganar a população brasileira e mundial que estão revoltadas. No novo Decreto, Temer mantém igual, a extinção da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca) e a permissão para a exploração mineral na região. Ou seja, a área continua ameaçada", escreveu. Ontem, a Justiça Federal suspendeu o decreto.
ENERGIA SOLAR
O presidente da Câmara de Santa Bárbara d'Oeste, vereador Ducimar Cardoso, o Kadu Garçom (PR), assinou nesta semana o pedido para contratação de projeto técnico para implantação de energia solar no prédio do Legislativo, comunicou a Assessoria de Imprensa da Casa. Em uma segunda etapa, a Câmara deve abrir licitação para implantar os painéis de energia. Esse projeto técnico, que deve ser avaliado pela CPFL Paulista e também inclui a fiscalização da execução do serviço, terá custo de R$ 10 mil para os cofres públicos e será pago, de maneira parcelada, até a conclusão da obra, segundo o Legislativo.
BENEFÍCIOS
O pedido para a implantação desse tipo de energia foi realizado pelo diretor administrativo-financeiro da Câmara, Vilson Vendramin Júnior, que apontou que a medida gerará economia. Além disso, afirmou no pedido que a utilização de energia solar, considerada limpa e renovável, é mais sustentável, uma vez que diminui a necessidade de uso de termoelétricas e hidroelétricas. Por fim, ressaltou que a medida contribui para a valorização do bem público, uma vez que o prédio passará a ser autossuficiente em energia, podendo, inclusive, enviar o excedente produzido para abastecer a rede concessionária.
ECONOMIA
"Estamos economizando neste ano, para que a implantação do sistema de energia solar ocorra já no primeiro semestre de 2018, contribuindo para a economia da Câmara nas próximas décadas e para uma cidade mais sustentável", afirmou Kadu, agradecendo o apoio dos demais membros da Mesa Diretora, que também é composta por Valdenor de Jesus Gonçalves Fonseca, o Jesus Vendedor (DEM), Joel Cardoso, o Joel do Gás (PV) e Edmilson Ignácio Rocha, o Dr. Edmilson (PPS). Atualmente, as despesas mensais do Legislativo barbarense com energia elétrica atingem, em média, cerca de R$ 12 mil.