OK
Close

ALIMENTOS ORGÂNICOS

Fogo Cruzado

07/09/2017-23:19:28 Atualizado em 07/09/2017-23:15:44

O vereador Avelino Xavier Alves, o Poneis (PSDB), sugeriu que o Executivo envie para a Câmara de Nova Odessa um projeto para obrigar a inclusão de alimentos orgânicos na alimentação escolar na rede municipal de ensino. O requerimento 411/2017 de autoria do parlamentar foi protocolado anteontem e aponta como um dos benefícios a fomentação da agricultura no município.

PROPOSTA ARQUIVADA
"Em 2016 o vereador professor Antonio apresentou um projeto de Lei que objetivava implantar a obrigatoriedade de inclusão de alimentos orgânicos na alimentação escolar, mas a proposta foi submetida ao arquivo após o plenário acatar parecer contrário da comissão de Constituição, Justiça e Redação, porque este projeto não poderia partir da Câmara, e sim, do Executivo", explicou Poneis. A proposta da inclusão de alimentos orgânicos na merenda escolar seria feita gradualmente ano a ano como 5% de alimentos orgânicos já em 2017, 10% de alimentos orgânicos em 2018, 15% de alimentos orgânicos em 2019, e 20% de alimentos orgânicos em 2020.
SAUDÁVEL
No documento o vereador destaca que a implementação do projeto de lei acarretaria na melhora da qualidade da merenda servida às crianças da rede pública de ensino. "A merenda já é uma das melhores da região e, se incluir alimentos orgânicos ficará ainda mais saudável, mudando os hábitos alimentares das crianças e ainda fomentar a agricultura em nosso município", finalizou.
'NOVELA'
A "novela" do pedido de reconhecimento do estado de calamidade financeira de Americana teve um novo episódio nesta semana. Na terça-feira, os deputados estaduais Teonílio Monteiro da Costa, o Teonílio Barba (PT), e Carlos Cezar (PSB) pediram vistas conjuntas do projeto que faz a solicitação e tramita desde dezembro do ano passado na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo). Antes disso, o projeto de decreto legislativo teve voto favorável da Comissão de Fiscalização e Controle pelo relator André do Prado (PR).
CALAMIDADE
Para que seja votado, o projeto na Alesp precisa chegar até o presidente, deputado Cauê Macris (PSDB), para então ser encaminhado ao plenário da Casa. Se o estado de calamidade pública financeira for reconhecido pela Alesp, o prefeito de Americana, Omar Najar (PMDB), terá mais tempo para colocar as finanças do município em ordem. A aprovação suspende, por exemplo, os prazos para reduzir o percentual de gasto com pessoal e recondução da dívida consolidada, caso essa ultrapasse o limite previsto pela gestão. Americana está em estado de calamidade financeira desde 10 de outubro do ano passado.